Invepar tem receita líquida ajustada de R$ 804,7 milhões no 2º trimestre de 2015

A Invepar divulgou os resultados financeiros do 2º trimestre de 2015, registrando receita líquida ajustada1 de R$ 804,7 milhões, um crescimento de 8,9% em relação ao mesmo período de 2014. Todos os segmentos de atuação da empresa acompanharam o resultado positivo e registraram receita líquida ajustada superior em comparação ao segundo trimestre do ano passado. Em relação aos investimentos, no acumulado dos primeiros seis meses deste ano, os investimentos realizados pela companhia totalizaram cerca de R$ 1 bilhão, sendo R$ 549,6 milhões no segundo trimestre.

No segmento Rodovias, a receita líquida ajustada atingiu R$ 206,8 milhões, 16,6% superior em comparação ao mesmo período de 2014. Embora o número de Veículos Equivalentes Pagantes (VEPs) tenha apresentado ligeiro decréscimo ante o segundo trimestre do ano passado, o resultado foi influenciado positivamente pelo reajuste tarifário na Linha Amarela S.A. – LAMSA e na Concessionária Auto Raposo Tavares – CART e pela reclassificação tarifária das praças de pedágio da CART em novembro de 2014. Os principais investimentos aconteceram na Via 040, em que foram concluídos todos os trabalhos iniciais, atendendo os parâmetros de desempenho estabelecidos no contrato de concessão. Além disso, destacam-se as obras de duplicação na CART e o avanço na construção do túnel por baixo do Rio Rímac e de viadutos projetados na LAMSAC, em Lima, Peru.

Já a receita líquida ajustada do segmento Mobilidade Urbana registrou um acréscimo de R$ 22,7 milhões (+13,6%) no 2º trimestre de 2015, em relação a igual período do ano anterior, atingindo um total de R$ 189,2 milhões. A variação deve-se ao crescimento de 2,1% no número de passageiros pagantes do MetrôRio, totalizando 51,4 milhões, e ao aumento da tarifa média de 3,98% no período. O principal investimento refere-se à aquisição de mais quinze trens para a Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, por meio da empresa MetrôBarra. Vale ressaltar que, no trimestre, 9 dos 15 trens chegaram à capital fluminense, o mesmo ocorrendo, entre julho e agosto, com as composições restantes. Os novos trens entrarão gradativamente em circulação nas Linhas 1 e 2.

No segmento Aeroportos, a receita líquida ajustada totalizou R$ 408,7 milhões no período, registrando um crescimento de R$ 13,9 milhões (+3,5%) ante o mesmo trimestre de 2014. Este desempenho foi motivado pelo aumento de 11,1% nas receitas tarifárias na comparação entre os períodos, em função, principalmente, da alteração do perfil de passageiros, com maior proporção de usuários internacionais, ao reajuste tarifário ocorrido em julho de 2014 e ao segmento de cargas, que teve impacto positivo da recente variação cambial. A continuidade da reforma e da ampliação dos Terminais 1 e 2 de GRU Airport, o alargamento das pistas e a implementação de diversos sistemas que aumentarão a eficiência, confiabilidade e segurança das operações no aeroporto foram os destaques de investimento no período.

O EBITDA ajustado¹ consolidado atingiu R$ 380,2 milhões no 2° trimestre de 2015, valor 2,7% inferior em relação a igual período de 2014. Cabe ressaltar que a queda no EBITDA ajustado consolidado no 2T15 deve-se ao segmento de Rodovias, com a entrada em operação da Via 040 (que iniciou suas operações em outubro de 2014), gerando custos operacionais temporariamente sem a contrapartida de receita. A cobrança de pedágio teve início no mês de julho deste ano, portanto o efeito da receita será capturado a partir do próximo trimestre.

A Invepar apresentou resultado líquido consolidado negativo de R$ 211,8 milhões no exercício. É importante destacar que o resultado decorre da fase de investimentos em que a Invepar se encontra, em que estão sendo realizados substanciais investimentos nos segmentos de Aeroportos (como a conclusão do Terminal 3 em 2014, a reforma nos Terminais 1 e 2 e o alargamento das pistas a partir de 2015), Rodovias (com destaque para os investimentos em trabalhos iniciais e duplicação na Via 040) e Mobilidade Urbana (destaque para a aquisição dos 15 trens da Linha 4 do Rio de Janeiro). Tais investimentos impactam o resultado da companhia via depreciação e amortização. Cabe ressaltar também o impacto das despesas financeiras oriundas do endividamento consolidado da Invepar e os efeitos não caixa referentes à outorga fixa de GRU Airport.

A evolução do plano de investimentos de GRU Airport, que culminou com a entrada em operação do Terminal 3 a partir de maio de 2014, resultou na alteração do tratamento contábil aplicável, segundo as normas vigentes, à atualização monetária da Outorga Fixa de GRU Airport. Conforme os investimentos (Capex) vão sendo realizados, essa atualização monetária deixa de ser capitalizada no Ativo Intangível e passa a ser reconhecida nas despesas financeiras.

<
Quarta faixa da Free Way reduz em 27% os óbitos em...

Consolidado

2T15

2T14

p

Receita Líquida Ajustada1

804,7

738,8

8,9%

Rodovias

206,8

177,4

16,6%

Mobilidade Urbana

189,2

166,5

13,6%

Aeroportos

408,7

394,9

3,5%

EBITDA Ajustado1

380,2

390,9

-2,7%

Rodovias

87,2

107,0

-18,5%

Mobilidade Urbana

84,5

62,9

34,4%